Quem sou eu

Minha foto
Salvador, Bahia, Brazil
Sou Mulato, Solteiro, Discreto, Bisexual, 38 Anos, 1,80m, 80 kg e Aventureiro. Procuro Amizade Íntima com homens e mulheres simples, discretos,putões, não afeminados, 100% ativos, livres de medos e opiniões alheias para amizade e parceira em aventuras sexuais de toda espécie( Lugares Públicos, Sexo Grupal, Praias Desertas, Filmagens e Fotografias Pornôs) & sem nenhum vínculo financeiro, só sexo e amizade. Estou aberto a relacionamento discreto, livre, sem drogas e nem violência. Afeminados serão descartados pois preservo a discrição e o respeito mútuos.Negros são preferência mas todos os ativos,loucos por sexo e bem dotados serão bem Vindos. Aguardo Contato. Quero matar o desejos de todos os taradinhos e safados de plantão...

Pode Crer!

quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

Tamanho: o mito e a realidade.



Já tínhamos falado sobre a importância do tamanho do órgão sexual masculino, com a opinião de várias mulheres.
Voltamos ao assunto, com a ajuda do urologista Nuno Monteiro Pereira, autor do livro ‘O Pénis, da Masculinidade ao Órgão Masculino’ (editora Lidel, €40,40) para separar, de uma vez por todas, o mito da realidade.


1. Quanto maior o tamanho, melhor o desempenho

“Em relação ao comprimento, é um mito. Já em relação à grossura, é realidade. Se o pénis for muito estreito, pode não haver um contacto satisfatório que permita à mulher ter prazer. Um pénis muito comprido pode também provocar desconforto ou até mesmo dor.”

2. Os homens de raça negra são mais dotados

Realidade. Há vários estudos que comprovam que os homens de raça negra têm um pénis consideravelmente maior do que os homens de raça branca. Já os asiáticos, por sua vez, têm o pénis mais pequeno do que os ocidentais.”

3. Homem pequeno, pénis grande

Mito. Os estudos comprovam que existe uma proporção entre o tamanho do homem e o tamanho do pénis. Logo, regra geral, homem pequeno, pénis pequeno. Claro que para todas as regras existem exceções!”

4. É possível aumentar um pénis pequeno

Realidade. Um pénis pequeno pode ser aumentado através de processos mecânicos, por ação de bombas de vácuo ou de dispositivos que provocam o estiramento do órgão, ou através de cirurgia. Os cremes e loções habitualmente publicitados não funcionam!”

5. Ter um pénis muito grande é sinal de virilidade

Mito. Há pénis grandes que podem não ser tão eficazes na ereção por apresentarem dificuldade de irrigação sanguínea.”

6. O pénis é um órgão autónomo

Realidade. Por vezes os homens têm ereções involuntárias e outras vezes querem tê-las e não conseguem.”

7. Homem de pés grandes é, geralmente, mais dotado

Realidade. As estatísticas mostram que os homens com pés e mãos maiores têm também, regra geral, pénis maiores.”

8. O pénis e os testículos diminuem com a idade

“Em relação aos testículos, confirma-se, pois quando a função testicular diminui os testículos também tendem a diminuir. Já o tamanho do pénis pode até aumentar com a idade, o que não é sinónimo de eficácia.”

terça-feira, 16 de janeiro de 2018

Neurocientistas dizem que 'vício em pornografia' não pode ser chamado de vício.


O "vício" em pornografia tem sido alvo de debate entre os psicólogos e pela cultura pop.
Alguns argumentam que a pornografia incentiva a violência e prejudica as relações sexuais. Outros dizem que ele pode ter um lugar numa vida sexual saudável.
Uma nova pesquisa sugere que o pornô, definitivamente, não é viciante.
Um grande estudo de neurocientistas da Universidade da Califórnia (UCLA) descobriram que quando as pessoas veem imagens eróticas, as reações de dependência comuns ao cérebro são invertidas.
No cérebro, o “vício” em pornografia se manifesta de maneira oposta a vícios como a cocaína, cigarros ou jogos de azar. Portanto, devem ser tratados com terapias diferentes.
Seu cérebro e a pornografia
Normalmente, os viciados mostram aumento de reações cerebrais com o objeto de vício. No entanto, os novos resultados, que foram publicados esta semana na revista Biological Psychology, mostraram que as pessoas que lutaram com o consumo excessivo de pornografia tinham diminuído as reações cerebrais quando assistiam à pornografia.
Para o estudo, os pesquisadores recrutaram 122 homens e mulheres. Alguns deles lutaram para controlar o acesso à pornografia, enquanto outros assistiam ao pornô, mas diziam que não tinham quaisquer problemas com seus hábitos televisivos. Os participantes viram uma variedade de imagens - algumas sexuais, outras não - enquanto suas ondas cerebrais foram monitoradas.
Os pesquisadores mediram o potencial positivo tardio (PPT) no cérebro, o que reflete "a intensidade de uma resposta emocional", explicou o co-autor Dr. Dean Sabatinelli.

"Isso significa que cérebro não estava se sensibilizado às imagens sexuais, o que é importante porque cada outra substância ou vício faz o viciado se sensibilizar ", indicou a Dra. Nicole Prause, neurocientista da universidade e autora principal do estudo.
Em um estudo anterior, Nicole e seus colegas mostraram que viciados em cocaína aumentaram reações PPT às imagens de cocaína.
"Isso ocorre com imagens de cigarros em fumantes e imagens de jogos em viciados em jogos, entre outros. O fato de que isso parece o oposto em pessoas que relatam problemas gerenciamento de seus hábitos vendo pornografia torna diferente de todos os outros vícios".
Vício por qualquer outro nome
Então o que devemos fazer com o fato de que muitas pessoas que lutam com desejos incontroláveis para assistir filmes pornô?
Embora esses comportamentos possam ser graves o suficiente para justificar o tratamento, os autores do estudo argumentam que rotular o pornô como viciante levou a tratamentos caros e ineficazes.
"Alguns lugares dizem tratar o vício em sexo ou pornografia, mas, na verdade, não temos nenhuma evidência de que esses tratamentos são eficazes", disse a Dra. Nicole. "Acredito que muitos pacientes estão pagando por tratamentos muito caros que não são úteis. E podem ser prejudiciais".
Portanto, se a pornografia funciona diferente de outros vícios, como os pesquisadores sugerem, seria lógico que ela fosse tratada de forma diferente.
"Algumas pessoas lutam claramente para regular seu hábito em assistir pornografia, mas é importante saber o motivo", conta Dra. Nicole Prause, neurocientista da UCLA e autor do estudo principal. "Chamá-lo de vício pode prejudicar os pacientes, por isso, devemos exigir tratamentos apoiados por pesquisas”. A Terapia de Aceitação e Compromisso (ACT) tem mostrado um potencial significativo nos primeiros ensaios clínicos e é uma opção de tratamento que pode funcionar, segundo a pesquisadora.

domingo, 14 de janeiro de 2018

Celebrações inauguram lei do casamento gay na Austrália.

 

Desde a meia noite de hoje, dezenas de casais trocaram votos no país, que é o 26º no mundo a legalizar a união entre pessoas do mesmo sexo.

A partir da meia-noite e nas primeiras horas da manhã do dia 1 de janeiro de 2018 dezenas de casais do mesmo sexo trocaram votos de casamento na Austrália, no momento em leis que tornaram o país o 26º no mundo a legalizar o casamento homossexual entraram em vigor. 

 

"Foi simplesmente mágico", disse Diana Ribeiro à emissora de televisão SBS, depois que o casamento com sua esposa Deanne Ribeiro foi formalizado às 0h01 em Melbourne em frente a cerca de 60 convidados animados.

"Para mim, Deanne sempre foi minha esposa, sempre foi o amor da minha vida e hoje não vai mudar isto, é simplesmente sobre igualdade, na verdade, e poder finalmente ser legal na Austrália", disse.
O Parlamento australiano aprovou a legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo em dezembro, depois que uma pesquisa de opinião nacional indicou uma ampla maioria a favor das uniões.
O resultado da pesquisa gerou alívio, depois celebrações entre manifestantes que há anos buscavam mudanças, e posteriormente aplausos e gritos no plenário do Parlamento quando a lei foi aprovada. Alguns Estados australianos consideravam atos homossexuais ilegais até somente 20 anos atrás.
Como uma notificação de um mês é exigida para o Estado reconhecer um casamento, o casamento das Ribeiro e outros casamentos entre pessoas do mesmo sexo relatados na mídia local estão entre os primeiros a serem reconhecidos sob as novas leis.
Diversos casais homossexuais já haviam se casado em dezembro após o período de notificação ser suspenso por razões como um dos membros estando com doença grave, ou para permitir a realização de um casamento legal quando uma cerimônia não vinculativa já estava planejada.
Organizações religiosas e parlamentares conservadores haviam expressado forte oposição a casamentos entre pessoas do mesmo sexo e pressionaram, sem sucesso, por maiores proteções para opositores religiosos, que teriam permitido que floristas e bancários recusassem serviços para pessoas do mesmo sexo caso as uniões fossem legalizadas.

sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Os 7 Sinais Que o Corpo dá Quando Você Precisa Ter Relações Sexuais URGENTE!


É bom e todo mundo gosta, só que o que poucos sabem é que além do prazer, a atividade sexual frequente é extremamente benéfica ao organismo. Alguns sintomas, geralmente associados a outros fatores, podem ser exclusivamente falta de sexo, e entre eles, o principal é o mau humor.
Recentemente, um site espanhol listou alguns sinais de alerta, que indicam que a pessoa anda praticando menos sexo do que deveria, e isso se reflete no estado geral de sua saúde. Vejamos:
1 – Doenças constantes: A prática sexual libera altas doses de endorfina, uma droga natural poderosa, tanto na sensação de satisfação e bem-estar quanto na prevenção de doenças, já que se trata de um analgésico muito eficaz. Então, se as doenças estão recorrentes e a imunidade está baixa, é sinal de que está faltando sexo em sua vida.
2 – Insônia: Outra substância natural liberada pelo organismo pelo sexo é a ocitocina, responsável direta pela qualidade do sono, portanto, esse é mais um sinal e mais um motivo para aumentar a frequência sexual.
3 – Irritabilidade: Períodos de abstinência sexual tendem a levar a pessoa a um estado de irritabilidade e estresse, pois além dos fatores hormonais, há o aspecto psicológico e emocional da atividade sexual, por isso, quanto maior o período de inatividade, maiores as chances de desenvolver um estado crônico de mau humor.
4 – Envelhecimento precoce da pele: A atividade sexual estimula a circulação do sangue e a oxigenação do organismo, o que interfere diretamente na aparência da pele. Falta de sexo pode ocasionar o ressecamento do tecido da pele, fazendo com que a pessoa pareça bem mais velha do que realmente é.
5 – Problemas capilares: A circulação sanguínea é estimulada durante e depois do sexo, o que garante que os nutrientes sejam levados a todo o organismo. Assim, partes nas extremidades do corpo, como unhas e cabelos também são beneficiadas, e quando a prática não é regular, os cabelos tendem a ficar fracos e caírem com maior facilidade.
6 – Espinhas: O suor é importante para a limpeza da pele corporal, e com os poros limpos, a tendência do surgimento de acnes e cravos diminui bastante, então, muita espinha pode ser sinal de falta de sexo.
7 – Péssimo humor: Quem tem uma vida sexual ativa tende a ser mais bem-humorado e feliz, já que, como vimos, a liberação de endorfina atua diretamente no sistema nervoso central. Já pelo contrário, pessoas que não mantém atividade sexual regular tendem a ser mais estressadas e mau humoradas, além de ter baixa autoestima e outros problemas psicológicos.



quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

Castidade: masturbação é pecado?



«A masturbação deve sempre ser tida como pecado grave?
Ocorre tão freqüentemente que muitas pessoas a conside­ram algo de natural ou mesmo recomendável em certas fases da vida.
Que dizer a propósito
Resumo da resposta: A masturbação é cada vez mais comum, principalmente entre os jovens e, de modo especial, entre os que estu­dam; está freqüentemente associada a estados de angústia. Dai pro­curarem alguns moralistas isentá-la de culpa.
Na verdade, a masturbação, considerada em si mesma, é pecado grave não somente porque contraria as leis biológicas do homem. Le­ve-se em conta também que a ejaculação é, por si, a expressão do amor do homem voltado para outrem; ora, na masturbação, essa expressão é destituída do seu caráter altruísta e assume uma índole egoísta, solipsística ou narcísica; o sujeito procura para si um prazer que deveria estar estritamente a serviço de uma causa ulterior ou de uma doação de si mesmo.
Não obstante, nem todo ato de masturbação é gravemente peca­minoso. Com efeito, às vezes a masturbação é produzida sem parti­cipação da vontade do sujeito (como acontece freqüentemente nas poluções noturnas). Em outros casos, ela é resultante do apetite inferior ou sensitivo do homem, que escapa em parte ao domínio da vontade; torna-se então ato não plenamente humano e, por conse­guinte, não plenamente culpável.
O pastor de almas e o educador, ao tratar com os jovens, deverão ter sempre presente que a masturbação está freqüentemente asso­ciada a estados psicológicos especiais (às vezes, doentios e obsessivos). Consequentemente. evitarão aumentar a angústia do jovem que tenha o hábito da masturbação; falar-lhe apenas de perigos seria nocivo. Tratarão, antes, de mostrar no adolescente que a masturbação, longe de o beneficiar, só o prejudica; abram-lhe assim as perspectivas do amor nobre e altruísta. A visão da virtude, que é bela e atraente, ajudará poderosamente a superar a má inclinação.

Resposta: Inegavelmente a masturbação (também dita «vicio ou pecado solitário» ou, menos exatamente, «onanismo») é fenômeno muito difuso, principalmente entre os adolescentes.
Nos últimos tempos, o Dr. Alfred C. Kinsey realizou um inquérito entre 6.000 indivíduos masculinos, chegando à con­clusão de que 92% haviam praticado a masturbação até o orgasmo.
A porcentagem sobe, caso se considere apenas a classe estudantil: entre os universitários, Kinsey averiguou a cota de 96%; e, entre os secundaristas, 95%. Nos grupos de me­ninos de escola primária, a porcentagem foi de 89%.

Kinsey notou também que os rapazes de zona rural caem menos freqüentemente do que os de zona urbana. Averiguou outrossim que, «a partir dos dezoito anos, a freqüência da mas­turbação declina regularmente à medida que a idade sobe. Baixa mais rapidamente nas classes menos cultas, em que as relações heterossexuais costumam começar precocemente. Nas classes sociais de nível mais elevado, o declínio é menos acele­rado, pois aí há menos relações sexuais antes do casamento» (cf. «Le comportement sexuel de l’homme», 1948, pág. 629).
Ainda o mesmo autor observou que a masturbação no sexo feminino é menos comum do que no masculino, não ultrapas­sando a cota de 62%; apresenta características próprias.
A verificação do fenômeno tem levado os moralistas e mé­dicos a refletir sobre o assunto; há quem pense em desculpar por completo os consuetudinários. Para elucidar a questão, percorreremos rapidamente a história da Moral. A seguir, for­mularemos considerações sobre a qualificação ética da mas­turbação, às quais se seguirão advertências pastorais.

As páginas que se seguem, inspiram-se de valioso artigo do P. Albert Pié O. P.: «La masturbation. Réflexions théologiques et pastorales», em «La Vie Spirituelle Supplément» t. XIX, n° 77 (mai 1966), pág. 258-292. Veja-se também a obra do mesmo autor «Vie affective et ehasteté». Paris 1964.
«P.R.» já publicou a respeito um artigo em seu número 35/19600 pág. 472-477.
1. Breve esboço histórico
O exercício da masturbação é atestado desde tempos anti­gos. Já era conhecido e condenado pelos egípcios, gregos e ro­manos, como demonstram passagens de Platão («Górgias» 494c), Aristófanes («Cavaleiros» 24; «Paz» 290), as sátiras de Juvenal e os epigramas de Marcial.
Entre os judeus, a Bíblia não menciona diretamente a masturbação. Conforme os bons exegetas, a condenação pro­ferida pelo Senhor sobre Onã não versa propriamente sobre esse pecado, mas sobre o fato de não ter Onã cumprido a lei do levirato, que lhe mandava suscitar uma prole ao seu irmão defunto (cf. Gên 38,6-26). É possível que o texto de Eclo 23, 21-23 (aliás, um tanto obscuro) faça alusão ao «vicio solitário»:
«Duas espécies de pessoas multiplicam os pecados, e uma terceira atrai sobre si a ira e a perdição: a que se abrasa no fogo de seus apetites e não se acalma antes de ter devorado alguma coisa. O homem que abusa do seu próprio corpo, o qual não terá sossego enquanto não acender uma fogueira…»
A tradição dos rabinos de Israel foi muito severa a res­peito da masturbação, comparando-a ao próprio homicídio. Eis como se exprime o Talmud:
«Aquele que ejacula a semente em vão, assemelha-se a quem derrama sangue» (Talmud da Babilônia, Niddah 13a).
Os escritos do Novo Testamento não falam explicitamente da masturbação. Os moralistas, porém, costumam citar passa­gens de São Paulo para corroborar a condenação de tal defeito:
1 Cor 6,9s: «Não sabeis que os injustos não possuirão o Reino de Deus? Não vos enganeis: nem imorais, nem idólatras, nem adúlteros, nem efeminados, nem sodomitas nem ladrões, nem ava­rentos, nem maldizentes… possuirão o Reino de Deus».
Ef 5,3: «A imoralidade e qualquer impureza ou ganância, nem sequer sejam mencionadas entre vós, como é próprio dos santos».
Gá1 5, 19-21: «As obras da carne são estas: prostituição, impu­reza, desonestidade, idolatria, malefícios… Os que as praticarem, não herdarão o Reino de Deus».
Na história da Igreja, os mestres de Moral rejeitam a masturbação. Os testemunhos se tornam mais numerosos a partir do inicio da Idade Média, quando se redigiram os «Livros Penitenciais» ou catálogos de penitências correspondentes aos diversos pecados possíveis.
No século XVII foram condenadas respectivamente pelos Papas Alexandre VII (em 1655) e Inocêncio XI (em 1679) duas proposições do teólogo cisterciense Caramuel de Lobkowicz, as quais professavam certa indulgência para com o vício solitário:

«A masturbação, a sodomia e a bestialidade são pecados da mesma espécie leve. Portanto, é suficiente ao penitente dizer em confissão que praticou uma polução» (Denzinger-Schoenmetzer, «Enquirídio» 2044).
«A masturbação não é proibida pela lei natural. Por conseguinte, se Deus não a tivesse proibido, seria freqüentemente algo de bom e por vezes mesmo algo de obrigatório sob pena de pecado mortal» (ib. 2149).
Chama a atenção nestas intervenções da Santa Sé a rejeição da tese segundo a qual a masturbação não seria contrária à natureza humana.

A partir do séc. XVII foram-se multiplicando as obras que em termos rigorosos se opunham à masturbação. Famoso se tornou o tratado do autor inglês Bekkers, que condenou ve­ementemente a masturbação também dita «onanismo»: «Onania or the Heinous Sin of Self-pollution, and all its Frightful Conse­quences in both Sexes, considered with Spiritual and Physical Advice». – Essa obra conheceu mais de oitenta edições e foi traduzida para o alemão.
Em 1760, Tissot, médico de Lausanne (Suíça), publicou em latim um «Tratado do onanismo. Dissertação sobre as doenças produzidas pela masturbação». A obra conheceu mais de doze edições até o fim do século XVIII, mais de vinte entre 1813 e 1842, e foi diversamente reproduzida ou aproveitada na redação de livros congêneres. Além do que, foi publicada tam­bém em francês no ano de 1764.

Muito digno de nota é o fato de que os filósofos Jean­ Jacques Rousseau e Voltaire no século XVIII combateram – e com grande veemência – a masturbação. Tenham-se em vista a obra «L’Émile ou de l’Éducation», 1. IV, de Rousseau (publi­cada em 1766) e o artigo «Onanisme» de Voltaire no «Diction­naire Philosophique».
Eis uma das passagens mais significativas de Rousseau:
«Vigiai, pois, cuidadosamente o rapaz. Ele poderá preservar-se de tudo; mas é a vós que toca preservá-lo contra si mesmo. Não o dei­xeis a sós nem de dia nem de noite; deitai-vos no seu quarto. Só ele para a cama quando abatido pelo sono e levante-se imediata­mente após ter acordado. Desconfiai do instinto…; é bom enquanto age a sós; é suspeito desde que se misture às instituições dos homens; é preciso não o destruir, mas regrá-lo; e isto pode ser mais difícil do que aniquilá-lo» (ed. Garnier 1961, pág. 415s).
Os quatro autores que acabam de ser citados (Bekkers, Tissot, Rousseau e Voltaire), contribuíram poderosamente para formar a opinião pública a respeito de masturbação.
Deve-se notar ainda uma declaração do Santo Ofício de Roma datada de 2 de agosto de 1929: perguntaram a esse dicastério se era lícito provocar masturbação a fim de obter esperma para fins de exame clínico em caso de blenorragia contagiosa. O Santo Ofício respondeu negativamente, dando a entender que nem para fins medicinais é lícito recorrer à masturbação (cf. «Acta Apostolicae Sedis» 21 [1929] 490).
Pergunta-se agora: que dizer a propósito?
Formularemos a resposta em duas proposições
2. Falta contra a natureza
Antes do mais, deve-se observar:
A masturbação, considerada em si mesma (abstração feita das circunstâncias em que ocorra), é pecado grave, porque contraria a natureza.
E por que contraria a natureza?
Por dois motivos principais: um de ordem biológica, e outro de ordem antropológica. Com efeito,
1) A natureza produz a semente humana em vista da procriação ou da função genital. A biologia, a embriologia e outras ciências modernas corroboram esta afirmação dos an­tigos e medievais.
Ora a masturbação prescinde desta finalidade ou impede-a. Por conseguinte, a masturbação é contra a natureza.
Não será preciso acrescentar que pecado contra as leis da natureza vem a ser pecado contra a lei de Deus, pois Deus é o autor da natureza. Ao homem compete observar fielmente essas leis, das quais ele não é senhor.
Esta argumentação é perfeitamente válida até nossos dias.
Há, porém, um segundo argumento no caso, argumento que procede não das leis da biologia, mas da índole psíquica e afe­tiva própria do ser humano. Este ponto de partida, para muitos de nossos contemporâneos, é mais interessante e valioso do que o anterior. Eis como pode ser apresentado
2) A ejaculação, no homem, é parte integrante de um ato muito mais complexo e rico ou muito mais humano, ato que exprime o amor. Com efeito, a ejaculação consuma e atua­liza o dom total e recíproco que o homem e a mulher fazem de si; esse dom frutifica normalmente na procriação de um filho.
Por conseguinte, em se tratando de sexualidade humana, deve-se dizer que a relação a outrem ou a relação consciente e amorosa de pessoa a pessoa é elemento constitutivo.
Ora quem pratica a masturbação não exerce o amor para com outrem, mas antes o amor a si mesmo; volta-se para o próprio «eu», fechando-se em si, em vez de se abrir para um consorte de outro sexo. O prazer do sujeito torna-se então a única finalidade de um ato que por si deveria dirigir-se a outrem (a um cônjuge e à prole). Esse prazer, em vez de ser (como deveria ser) fator concomitante, torna-se fim. Nisto há de­sordem profunda.
Freud (cuja filosofia em outros pontos não pode ser recomen­dada) julgava severamente o vício solitário. Afirmava sim, que a masturbação tem um caráter de narcisismo.
O narcisismo seria a satisfação do sujeito em si mesmo; carac­teriza os primeiros anos do ser humano.
A masturbação, portanto, seria o sintoma de um narcisismo infan­til não superado. Caso se torne habitual, ensina a psicanálise, a mas­turbação significa estagnação do desenvolvimento da personalidade ou mesmo regressão infantil; denuncia uma sexualidade não integrada na ternura ou uma sexualidade imatura, que não está em condições de servir à procriação e de ser altruísta.
Por outro lado, Freud reconhecia – e com razão – que a mas­turbação pode ser também o sintoma de uma neurose obsessiva; tem então algo de patológico. Esta observação de grande importância, será desenvolvida um pouco adiante nestas páginas.
Tais considerações são úteis ao moralista cristão. Este jul­gará a masturbação não apenas como um pecado contra as leis da biologia (que, sem dúvida, são leis do Criador), mas tam­bém como um ato contrário ao desenvolvimento normal do amor, que é o vínculo da perfeição (cf. Col 3, 14). Quem cede voluntariamente à masturbação, pratica algo que tende a de­formar a personalidade, pois a grandeza do homem está em abrir-se para outrem ou em tornar seu amor mais e mais al­truísta. A masturbação é, ao contrário, amor narcísico, desor­denado amor do sujeito a si mesmo.
Eis, porém, que uma objeção se impõe à nossa atenção:
Há quem queira evidenciar que a perda de espermatozóides voluntariamente provocada pelo homem nada tem de contrário à natureza, lembrando que a própria natureza ocasiona imenso desperdício de germens vitais. Com efeito, a biologia moderna observa que cada ejaculação de esperma masculino lança mais de 300 milhões de espermatozóides (caso seja portadora de menos de 60 milhões, há pouca esperança de que seja fecun­dante). O homem, no decorrer de sua vida, produz trilhões de espermatozóides, ao passo que a mulher faz amadurecer cerca de 400 óvulos. A própria natureza, portanto, produz sementes destinadas à infecundidade em proporção surpreendente. – Não se segue daí que o desperdício acarretado pelo homem já não pode ser dito antinatural ?
A resposta não é difícil: o proceder da natureza não é razão para que o homem derrame a semente fora do lugar pre­visto pela natureza. Este lançamento voluntário continua a ser contrário à natureza. Fazendo-o, o homem utiliza em vista de um prazer egoísta e narcísico uma função que por sua natureza mesma é aberta para o próximo. Ora tal comportamento é sempre contrário à natureza.
As considerações anteriores tinham por objeto a mastur­bação em si ou como tal, abstração feita das circunstâncias con­cretas em que seja praticada. Têm de ser completadas por ul­teriores ponderações.
3. Na realidade concreta, atenuantes
Por muito severo que seja o juízo dos moralistas sobre a masturbação, estes mesmos reconhecem que, na prática, nem todo ato de masturbação é pecado grave.
Com efeito, o pecado grave supõe sempre, sejam preenchi­das três condições:
matéria grave,
conhecimento da gravidade do ato a ser cometido,
vontade deliberada de o cometer.
Ora a segunda e principalmente a terceira das condições acima não se verificam sempre devidamente, mesmo quando há matéria grave. Em particular, no tocante à terceira condi­ção deve-se dizer que há diversos graus de voluntariedade na masturbação.
S. Tomás de Aquino distingue no homem três «apetites» ou tipos de tendência diferentes:
a) o apetite natural: é uma tendência determinada, impressa na natureza de cada ser, tendência em virtude da qual esse ser se inclina para tudo que lhe é conveniente. Esse apetite é cego; não depende de conhecimento previamente adquirido pelo respectivo su­jeito. Assim a pedra é naturalmente sujeita às leis da gravidade; ela cai por sua própria natureza. O homem também é dotado de apetite natural: por exemplo, ele tende naturalmente (antes de qualquer de­liberação) à felicidade. – No homem distingue-se ainda
b) o apetite superior: é também chamado «vontade»; é a capa­cidade de querer (apetecer) e amar os seres conhecidos pela inteli­gência humana. A vontade se inclina para tal pessoa ou tal realidade, após a ter escolhido com pleno conhecimento de causa. – Além disso, existe no homem
c) o apetite inferior ou sensitivo: é a inclinação voltada para tal ou tal realidade previamente conhecida pelos sentidos; tal reali­dade é apresentada pelos sentidos como algo de agradável ao homem. Assim o apetite sensitivo leva o homem a procurar água, quando este tem sede, pelo fato de ser então na água algo de agradável. O apetite sensitivo se volta necessariamente para tudo que parece ser fonte de prazer para o homem. Ele é por si mesmo inclinado ao prazer; é o que se pode verificar claramente nos animais irracionais.
No homem o apetite inferior ou sensitivo é, de certo modo, con­trolado ou dominado pelo apetite superior ou pela vontade. A von­tade deliberada faz com que o apetite sensitivo nem sempre ceda à procura do prazer, mas, antes, se ponha a serviço de interesses supe­riores concebidos pela inteligência e desejados pela vontade.
Todavia o apetite sensitivo (sequioso de prazer) permanece geral­mente, em grau maior ou menor, refratário ao domínio da vontade; fica sempre na natureza animal do homem algo que não pode ser plenamente «humanizado» ou que escapa ao controle da razão e da vontade. É esta uma das conseqüências do pecado original, pecado que violou a harmonia inicialmente existente na natureza do homem. Em outros termos: o apetite sensitivo prorromperá sempre em mo­vimentos espontâneos e impulsivos (feita talvez a exceção de um ou outro santo), que a vontade deliberada não consegue impedir. A vontade pode, sim, recusar seu consentimento a tais irrupções inde­liberadas; pode combatê-las, depois de oriundas mas não se lhes pode antecipar de modo que nunca se façam sentir.
Ora os movimentos espontâneos do apetite sensitivo não podem constituir, por si mesmos, pecados mortais; podem, sim, levar ao pecado mortal, caso a razão humana lhes dê o seu consentimento. Serão pecados veniais, caso a vontade do sujeito possa ser, de algum modo, responsável por eles.
É o que S. Tomás ensina em «De Veritate» qu. 25 e na Suma Teológica I/II qu. 74, a. 3.
É à luz de tais considerações que se deve analisar a mora­lidade da masturbação. Distinguem-se consequentemente três graus de qualificação moral desse ato. Com efeito, a mastur­bação pode ser pecado mortal, desde que haja livre consentimento da vontade;
pecado venial, caso a vontade, embora não provoque o ato, seja conivente com o mesmo ou responsável pela produção desse ato;
ato infra-moral, dado que seja mero reflexo fisiológico ou psíquico, que se antecipa por completo à intervenção da von­tade humana.
Este último caso se dá não raro nas poluções noturnas. Estas ocorrem geralmente em estado de inconsciência do su­jeito, sem prévia deliberação da parte do mesmo. Desde, porém, que a pessoa possa evitar tais atos e nada faça nesse sentido, torna-se responsável pelos mesmos; já se pode então falar de pecado leve ou grave, segundo o grau de conivência da vontade.
Conscientes destes dados, os moralistas, educadores e pais procurarão proferir um juízo adequado e devidamente mati­zado sobre a masturbação praticada pelos jovens. Ao lado de casos gravemente maliciosos e culposos, podem-se admitir ou­tros (e talvez muitos) cuja culpabilidade é atenuada;… ate­nuada, porque o indivíduo se acha em estado patológico (obses­são nervosa ou excitação psicopática que nele provocam rea­ções quase totalmente independentes do controle de sua von­tade). As pessoas que se encontrem em tal situação, precisam naturalmente de tratamento pastoral adequado.
Tais considerações se completarão em algumas
4. Reflexões pastorais
Pode-se dizer que ao educador e ao pastor de almas com­pete evitar dois excessos, ao enfrentar problemas de castidade da juventude:
1) a condescendência cega, pronta a tudo desculpar como se já não houvesse pecados de impureza. Não poucos são le­vados a essa benignidade em nome de uma mentalidade «escla­recida», que, em verdade, é traiçoeira e prejudicial aos jovens. Se, por certo, há casos patológicos, de moralidade atenuada ou nula em matéria de castidade, não deixa de haver verdadeiros casos de pecado na vida de nossos dias. A propósito vêm as advertências do S. Padre Pio XII em discurso de 23/111/52:
«Rejeitamos como errônea a afirmação daqueles que consideram inevitáveis as quedas cometidas nos anos da puberdade. Estas, dizem, não merecem que delas se faça muito caso; não seriam faltas graves, porque (como acrescentam) a paixão suprime a liberdade necessária para que um ato seja moralmente imputável» (La Documentation Catholique» 20/IV/1952, col. 454).
Doutro lado, é mister evitar

2) a severidade cega. Não basta denunciar o pecado. É preciso que o pai espiritual e o educador ajudem o jovem a se precaver contra o mal da masturbação e a se libertar dele desde que o cometa. Para o conseguir, faz-se mister considerem os fatores que ocasionam ou favorecem este desvio sexual.
Ora está averiguado que a masturbação ocorre freqüente­mente associada a estados psicopatológicos. Com efeito, veri­fica-se muitas vezes que o jovem se masturba quando sofre algum revés ou golpe da parte dos mais velhos ou de seus com­panheiros, quando padece solidão, quando sente saudades… O pecado solitário vem a ser então, para ele, um meio (aliás, muito pouco eficaz) de se consolar a sós. – Verifica-se tam­bém que a concentração exigida pelo estudo e o trabalho inte­lectual parece favorecer tal reação da natureza. Segundo bons autores, o fato de que o período de estudos dos jovens se pro­longou na vida moderna explicaria, em parte, que a mastur­bação se tenha tornado tão freqüente.
Consequentemente, é preciso que o diretor espiritual e o educador, por suas intervenções na vida do jovem, tratem de não lhes aumentar o medo do pecado a ponto de lhes agravar a angústia e o sentimento de culpa habitualmente associados à masturbação.
Quem grita «Perigo!» a um homem sujeito à vertigem (princi­palmente quando de fato há perigo), está, de certo modo, empurrando esse homem para o perigo ou para o abismo que o fascina. Ora o jovem tendente ao pecado solitário é como tal homem sujeito à verti­gem; traz em si a angústia sexual, angústia que pode recrudescer se o educador lhe incute indiscriminadamente a consciência do perigo moral que o ameaça.
Como se compreende, o bom pai espiritual deverá evitar essa falta de tino. Compete-lhe procurar escutar o adolescente; deixe o paciente falar de seus problemas. E depois procure, por suas palavras oportunas, lançar um pouco de luz nas trevas e na angústia do jovem; isto será possível, se tratar de ajudá-lo a descobrir o que a masturbação tem de desarrazoado:
– é reação infantil que, longe de resolver situações afli­tivas, só concorre para agravá-las;
– é obstáculo ao desabrochar de nobre amor conjugal;
– é também ocasião de difícil relacionamento com os se­melhantes, pois favorece o narcisismo e a volta do sujeito sobre si mesmo. A masturbação cria um clima de solipsismo ego­cêntrico, em que a caridade mal pode desabrochar.
Cedendo, pois, à masturbação, o jovem prejudica sua ma­turidade afetiva e seu progresso, tanto humano como cristão.
O educador que mostre isto ao pupilo, longe de lhe au­mentar a angústia de alma, contribui para acalmá-lo; ao mesmo tempo, orienta-o para o amor da castidade. Esta é bela e não
pode deixar de atrair a quem a queira considerar lealmente, como insinua S. Tomás:
«A estima da castidade pode ser motivo de alegria não somente para quem pratica a castidade, mas também para aquele que não possui tal virtude. Na verdade, o homem é naturalmente por sua razão levado a julgar que a virtude é um bem; ele ama esse bem e nele encontra alegria, ainda que não pratique a virtude» («De Malo» 15, 2, ad 5).
Ao se tratar, pois, de masturbação, será de importância capital opor ao vício o amor à virtude, o amor ao Verdadeiro Amor, que é sempre belo e atraente.

segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

Apetite sexual aumenta no verão.


Sabemos que diversas coisas podem influenciar o desejo sexual de homens e mulheres. O que está sendo discutido agora é o poder que o verão exerce sobre nós. Os dias quentes podem servir para esquentar ainda mais a relação e o apetite sexual.
Segundo sexólogo e secretário geral da Sociedade Brasileira de Sexualidade, Dr. Amaury Mendes Júnior, o verão pode sim influenciar no desejo das pessoas. Ele menciona a mistura de calor, liberação sexual e bebida alcoólica como o principal fator para que se aumente o desejo de transar nesta época do ano. Dr. Amaury Mendes também lembra que nos países subtropicais é costume usar menos roupa, o que aumenta a sexualidade.
“Quanto mais avantajada for a beleza do corpo mais o desejo aumenta. No verão a oferta é muito grande. No Brasil ainda calha com o Carnaval, onde extrapola todos os limites. Principalmente na Bahia e no Rio de Janeiro costuma-se explorar muito os limites”, afirma o sexólogo.
Mas para o Dr. Amaury estas características do verão não tiram o valor do inverno. “Principalmente para as mulheres, o inverno tem seu charme. É uma ocasião onde o sexo é mais romântico, quase sempre acompanhado de um vinho e de uma lareira”, diz o especialista. O sexólogo lembra ainda que no inverno as mulheres sentem-se menos expostas e mais valorizadas.

No verão somos muito estimulados pelo sentido da visão, é uma grande exposição da nossa imagem. Depararmos-nos com tantos músculos à mostra pela rua pode ser outro fator que explique esta aumento de tesão. “No verão o feio não tem vez. É por isso que, principalmente, a mulher tem uma preocupação em manter a beleza, ela sabe a importância que isso tem. Quem não tem o perfil fica desajustada frente aos que se enquadram nos quesitos”, aponta o sexólogo.
Para o Dr. Amaury esta preocupação é uma coisa boa porque obrigada a pessoa a ter uma atenção com a saúde, porém, ressalta que, ao mesmo tempo, massacra quem está fora do padrão.
O aumento do desejo nos dias mais quentes é igual para homens e mulheres. “Somos todos seres humanos, é igual para os dois. O resto é estabelecido pelo cultural e pelo regional. Na nossa cultura sexo é algo social”, ressalta o sexólogo.

sábado, 6 de janeiro de 2018

BRASIL, CAMPEÃO MUNDIAL DE CRIMES LGBT-FÓBICOS.

Em 2017, a cada 20 horas um LGBT morreu de forma  violenta por motivação homotransfóbica no Brasil. Trata-se, também, de uma resposta ao levante conservador que contamina a população com discursos impregnados de ódio, que a todo custo querem calar nossa voz. Os números estão sendo contabilizados pelo Grupo Gay Bahia.